Casas inteligentes: a nova tendência

A era da “casa inteligente” está aqui. O compromisso determinado dos gigantes corporativos tecnológicos com os alto-falantes inteligentes e as necessidades detectadas nas residências durante os longos meses de confinamento deram um novo impulso a um negócio que antecipa seu grande salto definitivo com a implantação massiva do 5G.

A casa inteligente é sinônimo de segurança, conforto, eficiência energética e gestão de energia. E algo que às vezes é esquecido, economia financeira.

“A primeira coisa que a automação residencial faz é facilitar a sua vida, mas é proposta para que sua casa lhe dê dinheiro”, afirma Guzmán Navarro, diretor do Mestrado em Domótica da Universidade de Málaga (UMA). Casas inteligentes são residências que possuem automação residencial, ou seja, seus sistemas automatizados são integrados.

Este controle inteligente de residências é uma tecnologia cujo uso e aplicação estão em ascensão. De acordo com os dados mais recentes do estudo de mercado da Associação Espanhola de Domótica e Imobiliário (Cedom), o volume de negócios dos fabricantes de sistemas de controle e automatização de habitações e edifícios em 2018 ascendeu a 79 milhões de euros, 40% mais que a ano anterior.

As funções mais solicitadas são as relacionadas com a gestão de energia (climatização, ventilação, iluminação, monitorização do consumo), seguidas remotamente pelas relacionadas com o conforto. Em terceiro lugar, as funções relacionadas a alarmes técnicos, controles de acesso e segurança são agrupadas.

A automação residencial é uma tecnologia transparente, adaptável à estética de qualquer edifício, e que oferece múltiplos benefícios.

Comentários estão fechados.